terça-feira, 11 de julho de 2017

Intervenção Psicopedagógica

Intervenção Psicopedagógica junto à criança Portadora de Necessidades Educacionais Especiais
         Crianças com limitações devem receber um trabalho psicopedagógico respeitando seu ritmo e propiciando-lhe estimulação adequada para desenvolvimento de suas habilidades. Programas devem ser implementados de acordo com as necessidades específicas das crianças.
Segundo relata MAIA, Heber:
“Aprender representa uma mistura complexa de diversos elementos: pedagógicos, emocionais, culturais e biológicos. Quando uma criança apresenta problemas para desenvolver sua aprendizagem, todas essas facetas precisam ser analisadas, a fim de melhor conduzir esta criança.” (Necessidades Educacionais Especiais. P. 13)
    Frequentar a escola permitirá a criança adquirir, progressivamente, conhecimentos, cada vez mais complexos, que serão exigidos da sociedade e cujas bases são indispensáveis para a formação de qualquer indivíduo. A aprendizagem acontece sempre com a interação do indivíduo com o objeto a ser conhecido e com os envolvidos no ato de aprender,
         Desta forma consideramos que a escola deve adotar uma proposta curricular, que se baseie na interação sujeito/ objeto, envolvendo o desenvolvimento desde o início escolar.
          E o ensino das crianças  deve ocorrer de forma sistemática e organizada, seguindo passos previamente estabelecidos, devendo ocorrer de forma agradável e que desperte interesse na criança. Normalmente o lúdico atrai muito na primeira infância, e é um recurso a ser utilizado, pois permite o desenvolvimento global  através da estimulação de diferentes áreas.
       Uma das maiores preocupações em relação à educação, de forma geral, se dá na fase que se estende do nascimento ao sexto ano de idade. Neste período a educação infantil tem por objetivo promover  maior autonomia, experiências de interação social e adequação, permitindo que esta se desenvolva de forma espontânea.          O atendimento deve ocorrer de forma gradual, pois estas crianças não conseguem absorver grande número de informações. Também não devem ser apresentadas, informações isoladas ou mecânicas, O trabalho deve ser diário, organizado e de persistência, não permitindo que o aluno deixe de fazer as atividades por teimosia, característica das Síndromes.
        É importante que o profissional promova o desenvolvimento da aprendizagem nas situações diárias da criança, e a evolução gradativa da aprendizagem deve ser respeitada. Não é adequado pularmos etapas ou exigirmos atividades que ela não possa realizar e que não trazem benefícios à criança e ainda podem lhe causar estresse.
       A criança tem que ser vista de forma global e educá-la não é apenas trabalhar a mente e sim  abrangendo todos os aspectos, inclusive a necessidade de interagir com o meio, tendo contato direto com o universo de objetos e situações que a cercam, podendo assim efetivar suas construções sobre a realidade.
      Acreditamos que a caminhada se faz ao caminhar, com amor, compreensão e dedicação.
Ruth Coutinho Staedele
Psicopedagoga Institucional /Clínica
ABPpSC- 385/2010








Nenhum comentário:

Postar um comentário